Doenças

Como tratar a inflamação conjuntiva nos olhos

Tratamento-da-conjuntiviteConjuntivite é o nome que se dá à doença caracterizada pela inflamação da conjuntiva dos olhos, uma membrana transparente que recobre a parte da frente do globo ocular e a parte interna das pálpebras. Ela pode ser causada por vírus, bactérias, alergias ou agentes tóxicos. A conjuntivite causa grande desconforto e pode afetar apenas um ou ambos os olhos, não necessariamente ao mesmo tempo. Sua duração é de aproximadamente 15 dias.  Também causa coceira e dilata os vasos sanguíneos dos olhos, deixando a parte branca ocular com coloração avermelhada, sintoma bem característico de infecção, o que facilita a identificação da doença.

Altamente contagiosa, porém não grave, a conjuntivite viral é comum no verão. Nestes casos, o contágio ocorre pelo contato direto com o doente ou com algum objeto contaminado. Locais fechados facilitam a contaminação. Contudo, a conjuntivite não costuma deixar sequelas, ainda que considerada aguda ou crônica.

Para amenizar os sintomas da conjuntivite viral usa-se soro fisiológico gelado em compressas sobre as pálpebras além de limpar os olhos frequentemente, ou ainda, usar colírios lubrificantes.

As reações alérgicas, como já citado, podem causar a conjuntivite. Algumas de suas origens são:

  • Poluição;
  • Fumaça;
  • Cloro usado em piscinas;
  • Pólen das flores;
  • Produtos de limpeza;

Em sua forma mais incomum, a bacteriana, a conjuntivite pode ocorrer através das seguintes bactérias: Moraxella Catarrhalis, Pseudomonas Aeruginosa, Treptococcus Pneumoniae, Staphylococcus Aureus e Haemophilus Influenzae.

Nestes casos, devemos usar somente os colírios e antibióticos prescritos pelo oftalmologista. Por isso, é necessário que o diagnóstico seja realizado pelo médico para adequação do tratamento.

CONJUNTIVITE – SINTOMAS

cuidados-conjuntiviteA seguir, listamos os mais comuns sintomas da conjuntivite que são facilmente identificados e diferem apenas em algumas variações da forma alérgica, bacteriana e viral.

  • Ao acordar, as pálpebras geralmente estão grudadas;
  • Dor na exposição à luz;
  • Coceira;
  • Ardor;
  • Olhos vermelhos;
  • Pálpebras inchadas;
  • Olhos lacrimejando constantemente;
  • Sensação de areia nos olhos.

Algumas características são específicas da conjuntivite bacteriana e viral:

  • Febre;
  • Dor de garganta;
  • Sinais de infecção respiratória;
  • Secreção branca escorrendo dos olhos;
  • Olhos grudados por pus seco.

É difícil escapar da conjuntivite, mas algumas medidas podem ser tomadas para evita-la:

lavar-as-mãosLave as mãos com frequência;

  • Evite esfregar os dedos nos olhos;
  • Não use maquiagem de outras pessoas;
  • Não empreste sua maquiagem;
  • Lave seus pinceis de maquiagem com frequência;
  • Não compartilhe toalhas de rosto;
  • Não use medicamentos sem prescrição médica;
  • Evite nadar em piscinas sem cloro ou em lagos.

Algumas pessoas tem mais facilidade para desenvolver a doença. Exemplos:

  • tratamento-para-dor-nos-olhosPessoas com baixa imunidade;
  • Alérgicos;
  • Pessoas que habitualmente passam os dedos sujos nos olhos;
  • Pessoas que tem herpes ou doenças autoimunes que deixam o organismo mais propenso ao desenvolvimento da infecção ocular.

Lembre-se! O diagnóstico deve ser sempre realizado pelo médico. O tratamento é simples e a melhor maneira de evitar manter sempre as mãos limpas e higienizadas.

 

Tratamento para a inflamação conjuntiva dos olhos

 

O ideal é buscar o auxílio médico para o correto tratamento que irá depender do tipo de conjuntivite. A bacteriana é normalmente tratada com antibióticos e colírios específicos que são adquiridos através da prescrição médica; enquanto a conjuntivite viral e a alérgica são facilmente tratadas com higienização adequada do local. Mesmo que já tenha sofrido com o mesmo problema, é importante buscar o auxilio profissional. Automedicar-se pode causar danos à saúde dos olhos considerando que muitos colírios tem fórmula forte que não deve ser administrada inadequadamente.

É comum durante o tratamento o uso de compressas de água gelada. Lavar os olhos com soro fisiológico sempre que possível também é recomendável.

Nunca deixe de estar atento aos sinais e alertas do seu corpo. Procure lavar sempre bem as mãos e não levá-las aos olhos constantemente. Ao persistirem os sintomas, não deixe de consultar um médico oftalmologista.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.