Doenças

Entenda mais sobre o Autismo

sinais-do-autismoO autismo é um tipo de condição que limita os hábitos comportamentais da criança, ele faz com que a comunicação seja dificultada e que a repetição de algumas ações seja fluente. O desenvolvimento dessa doença pode acontecer antes ou após o nascimento.

A coordenação motora de uma pessoa autista não é regular e em maior parte dos casos, elas apresentam outros problemas de saúde como deficit de atenção, problemas gastrointestinais e hiperatividade.

Problemas emocionais e psicológicos também podem surgir, recorrentes do autismo. Pacientes autista costumam sofrer com ansiedade e depressão.

O que é o Autismo

criança-autistaO Transtorno desintegrativo da infância, como também é conhecido, é um transtorno generalizado para o qual não há cura diagnosticada até os dias atuais. Devemos estar atentos porque existem diferentes níveis do autismo podendo variar entre graus leve e avançado, que podem variar de uma pessoa para outra.

Se tratando da cura do autismo, embora ela não seja conhecida até o momento, dependo do grau, a pessoa pode conviver com a doença levando uma vida relativamente normal, enquanto outras necessitam de atenção exclusiva por uma vida inteira.

A sensibilidade sensorial do autista pode se desenvolver ao longo de sua vida, sendo que alguns dos seus sentidos apresentem maior sensibilidade. O que isso quer dizer? Que o autismo provoca na pessoa uma sensibilidade tão maior em determinado sentido, que ela é capaz de sentir mais atração seja pelo cheiro ou pelo paladar, que uma pessoa normal. Se a sua sensibilidade maior se destaca na audição, ela também pode se sentir incomodada com barulho com mais rapidez.

A maior parte dos autistas usam as mãos para expressar o que está sentido. Movimentos circulares podem representar alegria ou estresse.

Como diagnosticar o Autismo?

Aos primeiros meses de vida de uma criança, você já pode perceber alguns sinais que representam o autismo:

  • autismoEvitam o contato visual
  • Ignoram a maior parte das brincadeiras
  • Não apontam o dedo para as coisas
  • Dificuldade de interação com outras crianças
  • Preferem brinquedos que pessoas
  • Não atendem aos chamados
  • Insensibilidade a dor
  • Falta de medo
  • Demonstram irritações atípicas
  • Dificuldade de expressão
  • Sentimento de solidão

Tendo a sua criança alguma das características acima, fique de olho e informe ao pediatra. Ele fará as observações e indicará o acompanhamento com terapeutas, fonoaudiólogos e se necessário com fisioterapeutas. Esse acompanhamento é necessário para que o diagnóstico seja concluído de forma a detectar a doença e o seu nível.

A causa do autismo

Ainda desconhecidas, as causas do autismo não podem ser relacionadas ao certo, contudo, há indícios de que a pré-disposição genética tenha grande influência e que o ambiente de criação também esteja relacionado ao desenvolvimento da criança. Entenda um pouco mais sobre o autismo:

Há evidências de que alguns fatores externos também propiciam esta condição de vida à criança:

  • Gestação complicadas;
  • Infecções
  • Poluição do ar
  • Sensibilidade à vacinas
  • Contaminação por mercúrio

Um assunto pouco abordado, mas que já foi tema de grandes polêmicas há alguns anos atrás, é a vacinação ao recém-nascido. Acreditavam-se na hipótese de as vacinas possuírem grande dosagem de mercúrio. É claro que esse é um mito que foi desvendado através de estudos que confirmam a importância da vacinação na infância. Vacina não provoca autismo.

Fatores de risco

Devido a falta de diagnóstico e a confusão com a timidez, não é possível afirmar o percentual correto de autistas hoje. Isso acontece porque a timidez interfere na interação de uma criança com outra.

o-autismo

Veja quem está propício a passar pelo autismo:

  • Os casos de autismo em meninos é maior que em meninas, sendo uma proporção média de 5 meninos para 1 menina.
  • Fatores genéticos aumentam as chances da condição.
  • Crianças especiais com problemas de esclerose tuberosa e epilepsia estão sujeitas a desenvolverem o autismo.
  • Pais mais velhos, chances maiores do filho ser autista

Tratamento

O tratamento para o autismo, baseia-se em atividades de socialização, comunicação e interação a fim de reduzir as características impostas pela condição.

O acompanhamento psiquiátrico é recomendado para o paciente autista e para quem convive com ele, isto influenciará de forma positiva, no resultado das terapias, porque ajudarão a manter o melhor convívio das partes em casa.

Tratamento-para-autismo

As demais terapias: fonoaudiologia, fisioterapia, a terapia ocupacional e comportamental são utilizadas e muito importantes para o melhor desenvolvimento da criança. É claro, que para cada perfil apresentado, é feito o tratamento adequado para o tipo de autismo que o perfil apresenta.

Não existem medicamentos para autismo, nestes caso, o medicamento indicado, é para controlar a ansiedade ou a depressão ou outras condições que o autista pode desenvolver. O uso de Neuleptil é feito para auxiliar no controle de alguns dos problemas causados pelo autismo.

Curiosidades!

Alguns sinais podem identificar se o seu filho é autista, tendo ciência disso, basta você observar, identificar e trabalhar para ter o melhor relacionamento possível com o portador do autismo. E então… Você sabia?

  • conviver-com-o-autismoQue crianças autista normalmente gostam de fazer a mesma coisa todos os dias?
  • São detalhistas e observam com precisão?
  • Aprendem melhor através do olhar?
  • São focadas em determinado assunto, podendo adquirir este assunto como meio profissional.
  • Perfeccionistas, detalhistas e atenciosos, são considerados confiáves como funcionários.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.