Doenças

Teste do coraçãozinho – Como é feito? Para que serve? Média de valores

teste-do-coraçãozinhoO teste do coraçãozinho é o teste que mede os batimentos e a oxigenação do coração. Conhecido também como oximetria de pulso, este exame é obrigatório pelo Sistema Único de saúde (SUS) e é feito com o uso de uma pulseira para as medições. Ela é colocada em um dos pulsos e em um dos pés da criança para fazer a análise nas primeiras horas de vida da criança. Esse teste ajuda na identificação de doenças cardiovasculares, e caso haja indícios, o bebê passa por ecocardiograma para a confirmação do problema.

É importante a identificação, o quanto antes de quaisquer problemas cardiovasculares em bebês, afinal a Sociedade Brasileira de Pediatria, concluiu que pelo menos 10 a cada mil recém-nascidos sofrem com doenças graves nesse sentido.

Como é feito o teste?

O Oxímetro é o sensor utilizado para a realização do exame, que deve ser feito em crianças de até 34 semanas de nascida. O aparelho é colocado no pulso direito e no tornozelo também direito, para medir a oxigenação no sangue. 3 a 5 minutos é o suficiente para essa medição.

Quando o nível de oxigenio está abaixo de 95%, é sinal de que o bebê está com com início de malformação cardíaca. Se a diferença entre braço e pernas for acima de 2%, esse indício também se confirma. Para confirmar o resultado, caso o bebê apresente as características mencionadas, o exame deve ser repetido uma hora após o procedimento, e um ecocardiograma 24 horas após. Exames físicos também são necessários em caso de suspeitas.

Triagem Neonatal do SUS

teste-do-coraçãozinho-em-bebêsDesde Maio de 2014, o teste do coraçãozinho é obrigatório pela rede pública de saúde, assim como o teste do pezinho, da orelhinha e dos olhinhos. Até a aprovação desta lei, poucas maternidades ofereciam a triagem neonatal, que inclui todos estes testes.

A principal intensão da inclusão do teste do coraçãozinho, é diminuir o número de mortalidade infantil, baseado no número de mortes  entre os anos de 2000 e 2012.

Doenças que podem ser detectadas

As doenças cardiovasculares são geralmente identificadas no exame, ou seja, doenças conhecidas como cardiopatias congênitas críticas, que significa que o lado esquerdo do coração não foi desenvolvido dentro das condições normais. Neste caso, a aorta, a válvula mitral e o ventrículo esquerdo são atingidos por esse não funcionamento adequado. Após descoberto o problema, o tratamento se divide em três etapas cirúrgicas que acontecem nos dois primeiros anos de vida da criança.

Quando a cardioplastia acontece com circulação em paralelo, a transposição dos grandes vasos é a maior característica. Neste caso, a aorta nasce da artéria pulmonar do ventrículo direito e do próprio ventrículo em si. O resultado dessa má formação é a origem de circulações sanguíneas paralelas e independentes, afetando a oxigenação dos tecidos. Os sintomas que a pessoa pode desenvolver são:

  • Taquicardia
  • Dificuldade de ganho de peso

O tratamento neste caso, é também cirúrgico e o diagnóstico é feito através de radiografias e ecocardiogramas.

Quanto custa para fazer o teste

doenças-cardiovascularesComo dito em parágrafos anteriores, o teste é gratuito e obrigatório pela rede pública de saúde, contudo, o mesmo pode ser incluso no valor do parto, em caso de planos particulares. O teste da orelhinha é o que costuma ser cobrado à parte e custa em torno de R$ 150,00. De todas as maneiras, alertamos aos futuros papais, que seja particular ou pelo SUS, que nunca deixem de realizar os testes. Eles garantem evitar possíveis problemas de saúde que o bebê possa vir a desenvolver.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.